sexta-feira, 30 de março de 2012

Fogo do amor.


Branco como a neve
Assim está meu coração
Sonhador...

Eu passei uma noite de tormentas
Mas a alegria
Tomou-me pelo amanhecer.

Esse branco calmo
São lagrimas geladas
Da insônia passada.

Meu pesadelo se foi
Você se curou...
E salvou nossas vidas.

Agora só nos resta
Derreter o gelo
Como nosso fogo do amor.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 29 de março de 2012

Meu Deus.

 

Eu quis chorar
Mas você conteve minhas lágrimas
Eu quis gritar
Mas você me pediu silêncio.

Eu quis correr
Mas você me desejou calma
Eu quis lutar
Mas você me pediu paz.

Eu quis solidão
Mas você não me deixou só
Eu quis ir embora
Mas você veio comigo.

Eu quis trevas
Mas você me trouxe a luz
Eu quis morrer
Mas você me deu vida.

Eu quis tristezas
Mas você me deu esperanças
Quis a terra
E você mostrou ao paraíso.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quarta-feira, 28 de março de 2012

Homenagem a Millôr Fernandes

Sobre o homem
O homem é o câncer da natureza.
O cadáver é que é o produto final. Nós somos apenas a matéria prima.
O homem é o único animal que ri. E é rindo que ele mostra o animal que é.
Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos muito bem.
O homem é um animal inviável.
Para bom entendedor meia palavra basta. Entendeu ...ecil?
Baiano só tem pânico no dia seguinte.
Todo homem nasce original e morre plágio.
Eu sou do tempo em que o homem é quem tinha ereção.
Tome nota, amigo: as aparências não enganam.
As mulheres são mais irritáveis porque os homens são mais irritantes.
Quem sai aos seus não endireita mais.
Você pode evitar descendentes. Mas não há nenhuma pílula para evitar certos antepassados.
  Millôr Fernandes

"Cada  homem será um filme rodado nos estúdios da vida e Millôr Fernandes acabou de ser bobinado".
Homenagem do Blog: Cor@ção de Minas



domingo, 25 de março de 2012

Abapuru


Quero apenas um raio de sol
Um cacto e uma caatinga
Para esticar as canelas.

Quanto ao mundo
E as suas vaidades
Vou deglutindo vagarosamente.

Por que meus pensamentos são vagos
Os meus braços são longos
E o meu trabalhar é sonhar em berço esplêndido.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 23 de março de 2012

Lírio em flor


No céu azul
Um risco branco
Pássaro sem rumo
Lírio em flor.

Nada além de nuvens sem rumo
Saudades e esquecimentos
Nada além da alma e da calma
Do brilhar das penas do pavão.

Neste azul me misturo
Penetro profundamente
Em busca de um arco íris
Que nasceu num jardim de flores

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 22 de março de 2012

Coração navegante


Rumo ao sol
Navega o coração
Em busca de uma saga
Em busca da paixão.

Vai-te coração apaixonado
Neste lindo entardecer
Levado pela brisa
No barco que desliza.

Nunca pare coração
Na ilha da solidão
Nunca passe coração
Pelo mar de sargaços.

Sempre ancore coração
Na ilha da felicidade
Sonhe muito coração
Com o destino que traçou.

E só volte coração
Quando encontrar amor.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quarta-feira, 21 de março de 2012

Borboletas



Tenho medo...
De decepcionar borboletas
Por isso sempre procuro
Deixar meus jardins floridos.

Borboletas sempre voltam
Quando há néctar pelo ar
Borboletas são tão frágeis
Como algumas amizades.

Se não consigo corresponder a altura
E somos muito cobrados
Gostaríamos de também
Amar as lagartas.

Mas o tempo selará os discursos
Não precisamos explicar o que é verdadeiro
Pois as metamorfoses acontecem
E os bons corações continuam.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

segunda-feira, 19 de março de 2012

De blog em blog




Tenho navegado pelos blogs
Neles vejo corações abertos
São cartas vivas e floridas
São livros para serem lidos.

Às vezes me perco nos amores
 Nas lindas e belas paisagens
Nas musicas que são tocadas
Ou simplesmente no “seja bem vindo”.

Como gostaria de citar todos os seus nomes
Mas cada um é uma pessoa
Cada um é uma história
E são milhares de ilhas humanas.

Estou à passear pela NET
Sempre pousando em uma nova página
Deixando sempre um recadinho
Um abraço e um carinho.

Se um dia prometo voltar
È porque estou neste vôo rasante
Levando muito mais sonhos
Do que pude deixar.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sábado, 17 de março de 2012

A música em mim


Quero um sol de primavera
Sonhar com uma casinha branca na varanda
Um quintal de mato verde
E correr entre os canteiros.

Me leve para casa Lady Laura
Só quero ter um milhão de amigos
Um coração de estudante
Descobrir que os brutos também amam.

Nossa linda juventude
Caminhando e cantando
Um silêncio uma catedral
Poderemos ser felizes como pais e filhos.

Ainda ontem chorei de saudades
Quando ouvi os seus detalhes
Agora aquenta coração
Esta menina veneno.

Estamos todos neste planeta água
Na lanterna dos afogados
Cantando vento ventania
Olho pro céu e vejo, Jesus Cristo, eu estou aqui...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 16 de março de 2012

Feedback


Esperei seu retorno
Esperei lá no face
Esperei seu telefonema
Mas você nem ligou.

Juro que contei as horas
Marquei os segundos
Mas você nem entrou
Deixou-me sem notícias.

E agora que você sumiu
Meus objetivos se foram
Meu desempenho caiu
E nosso amor morreu de inanição.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

segunda-feira, 12 de março de 2012

Dia da poesia



Acordai poetas e seresteiros
Ainda existem noites com luar
Basta uma poesia declamar
Para fazer a lua no coração brilhar.

Correi a afinar a lira...
Vamos assoprar espumas flutuantes
Navegar por mares nunca dantes
Proclamando a liberdade.

Mas quando bater nostalgia
E que os versos parecerem esquecidos
Basta recorremos à leve pena
Proclamando que “a alma não é pequena”.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sábado, 10 de março de 2012

Copos-de-leite



Hoje! Trago-lhe copos
Copos-de-leite
Brancos com almas
Desejosos de felicidade.

Hoje é o dia!
Em que vestiras véu e grinalda
Sonhos de adolescente
Realidades de mulher.

Hoje! Dirás sim
Sobre o altar
Juras confirmadas
Destinos entrelaçados.

Hoje! O branco das flores
Cairá sobre teu corpo
E o amor germinara
Para sempre.

Hoje! Trago-lhe copos
Copos-de-leite
Para brindarmos
Uma nova história.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 9 de março de 2012

Loucura


 
Meus desvarios
Sempre me levam além
Sou um passarinho sem ninho
Esperando por alguém.

Sou vento e sou chuva
Sou relâmpago e sou trovão
Sou a flor e o beija-flor
A primavera e o verão.

Sou os sonhos caindo do espaço
Um traço feito mão
Uma linha no infinito
Sou os rastros de um avião.

Minha loucura é um trem
Voando na contra mão
Até onde irão meus pensamentos
Não há nenhuma explicação.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira.

quinta-feira, 8 de março de 2012

A fotografia


Estamos aqui
Olhando o sol
Sentindo o vento
Filosofando...

O amor pode está em uma silhueta
Em um banco de praça
Em uma fotografia em preto e branco
No instante do click.

Poucas palavras...
Quase um silêncio completo
Inertes no tempo
Vagas sobre vagas.

Sem gestos
Um quadro sem moldura
Onde os pensamentos
Se completam e se desvairam.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira 

quinta-feira, 1 de março de 2012

Separação


Estamos dividindo
O passado e o presente
Nossas juras secretas
Nosso velho amor.

Quem sou eu?
E quem é você?
Caminhos tortos
Rumos incertos.

Separação!
Palavra desconhecida
Vocabulário estranho
Hoje declamada.

E nossos planos?
Abandonados...
Navio à deriva
Vontade de fugir.

,                                                              Tudo!
Não passou promessas
Nossos sonhos inacabados
Mais quero terminar sendo seu amigo...

Autor: Gilberto Ferandes Teixeira