segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Poema louco.


Encostei minha cabeça em um travesseiro vazio
E um sono profundo brotou do meu cérebro
Sonhei que estava acordado
mas quando acordei  estava dormindo.

Não recordo de ter me lembrado de mais nada
Nem tão pouco de ter escrito um poema
Porem, todavia, e contudo ele queria sair do papel
Mais o papel havia lhe fechado às portas

Era preciso declará-lo a alguém para enfim libertá-lo
Então voltei meu rosto para um espelho
E declamei sua única frase em voz alta
“Estais locou meu caro, estais louco”...


Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

domingo, 2 de outubro de 2016

A ponte


Como uma ponte lhe carreguei nos braços
e lhe coloquei na margem oposta do rio
Depois da travessia lhe voltei o rosto com sorriso

Foi assim
Tão simples
Você me pagou como um beijo

A ponte ficou sozinha
A rua ficou solitária
Mais nossos corações nunca se separaram.


Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

terça-feira, 6 de outubro de 2015

45.000 Acessos!


O Blog Cor@ção de Minas agradeçe a todos amigos(as 
pelo número considerável de acessos!

sábado, 22 de agosto de 2015

Primavera.


Mandei perfumar o meu cais
Para quando o barco do amor chegar
Partirmos na primavera...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Porto solidão.


Voam meus pensamentos
Feitos andorinhas errantes
Estou sozinha dentro do nada
Não existem portos na praia

Sonhos e utopias passeiam ao longe
Meus cabelos querem o galope do vento
Respiro o frescor da brisa
Mais o mar levou o meu amor

A distância parece não ter fim
Ele se foi como a vela da nau
Apenas ouço o grito dos pássaros
E a solidão invadindo minha alma.


Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Angelical


Ela veio como um anjo
Ruflando suas asas vermelhas
Pousou sobre a minha cama
E retirou uma rosa dos cabelos

Olhou-me fixamente
Sorriu com seriedade
Abriu uma caixa de presentes
E deixou-me uma poesia

Ela veio como um anjo
Ruflando suas asas vermelhas
Desejou-me boa noite
E voltou para o céu das ninfas.


Autor: Gilberto Fernandes Teixeira