segunda-feira, 25 de março de 2013

Seta sem direção.


Eu rodo em ciclos
Permutando corações
Eu giro feito hélice
Misturando ilusões.
 
Eu sou onda sem praia
Sou ilha sem mar
Eu sou incógnita sem pergunta
Sou frase sem sujeito.
 
Eu sou carta fora do baralho
Sou uma seta sem direção
Eu vou e eu volto
Eu subo e eu desço.
 
Eu sou raio sem roda
Passáro sem rota
Quadro sem pintor
Anônimo sem mato.
 
 Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Num giro imaginário o poeta lindamente poetou e com estes belíssimos versos nos presenteou!
    Um luxo o seu poema meu amigo
    Beijos e uma ótima semana!
    Gracita

    Desculpe! Tive que remover, um erro gritante.

    ResponderExcluir
  3. Muito Obrigado amiga! Luxo é ter sempre a sua visita!

    ResponderExcluir