sábado, 12 de novembro de 2011

Bolinhas de gude

Vejam estas bolinhas
Foram o meu primeiro arco íris
Partes de minha infância
Está impregna ai dentro.

Os olhos de Ritinha são verdes
Os olhos de Luiza azuis
Os olhos de Joana, café com leite.
Os olhos de Adriana, esferas.

Assim se passavam meus dias
Jogando bolinhas de gude
Não tinha outros universos
Pois todos estavam dentro delas.

Não sei por que crescemos
Talvez seja necessário mesmo
Mas se você olhar direito lá no fundo
Eu ainda estou dando tecadas.

E apesar dos meus sonhos se perderem
As bolinhas guardam segredos
Que serão revelados na eternidade
Sobre o que um autista pensa de si mesmo.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário